4 meses do Diogo

No passado dia 10, o nosso rapagão completou 4 meses! Foram 4 meses cheios de amor e felicidade mas também de muitas dificuldades, dúvidas e incertezas como é normal. Existiram também algumas inseguranças devido a opiniões que se ouve aqui e acolá principalmente de pessoas que não nós são tão próximas e é disto que quero falar hoje…

Nestes quatro meses, apreendemos a avaliar todas as informações que temos ao dispor e usá-las para as nossas decisões e deixar as opiniões e palpites que se ouvem assim do nada, entrar e sair! Acredito que algumas pudessem ser úteis e se me derem argumentos válidos eu ouço e vejo se tem lógica, mas a maior parte das vezes tal não acontece e são ideias que as pessoas têm sem argumentação ou qualquer fundamento, e sei que por vezes afectam algumas mulheres e mesmo alguns pais, deixando-os à nora e preocupados e isto entristece-me.

Dando um exemplo, o eterno tema que parece tabu da amamentação. Com muita felicidade minha e do Tiago e para vantagem do Diogo, ele está exclusivamente a ser amamentado desde que nasceu e esperamos que assim continue. Mas sei que imensas pessoas o gostavam de fazer e não conseguiram ou puderam e lembro-me imensas vezes delas quando amamento. A minha palavra para elas é que são mães valentes, e que são as melhores mães do mundo! Voltando ao exemplo, o Diogo nasceu muito pequenino com 2,400 kg e a dois dias das 38 semanas, foi um parto normal e foi ele que escolheu nascer naquele dia. Amamentei-o pouco mais de 30 minutos após nascimento a meu pedido e também fui bastante apoiada todo o tempo na maternidade, e acho que este foi um apoio fulcral. Nas primeiras 2-3 semanas as dores eram muitas, admito que pensei desistir tantas vezes e aqui o apoio do Tiago e os sorrisos (sim porque começou a sorrir com duas semanas e apenas para mim) e olhinhos do Diogo foram fundamentais. O Diogo evoluiu sempre bem o peso e todos os profissionais de saúde com quem lidei até hoje, pediatra, enfermeiras da maternidade, parteira, médica de família, etc, sempre apoiaram bastante a amamentação e sei que este apoio foi fundamental para lidar com as dificuldades que surgiram e que vão surgindo (pois estamos sempre em processo de aprendizagem e descoberta), o que não acontece com muitas mulheres. Mas, neste percurso, o bebé chorou muitas vezes, como bebé que é, porque sim, eles choram, e ouvi muitas vezes afirmações do género: “deve ser fome”, “o leite não deve ser bom”, “ui passa o dia todo na mama, isso é mau”, “sempre a comer é porque o leite não dá sustento”… Nem vou falar de argumentos ou factos sobre estas afirmações pois não é o meu objetivo com este post, talvez numa próxima, o que quero apontar é que ouvir coisas deste género é uma facada na auto-confiança e auto-estima de muitos recém papás e isto deixa-me tão triste com o mundo! Se por um lado a chegada de um bebé desperta uma felicidade e alegria em todos com quem nos cruzamos, este outro lado da moeda não é tão bom. De qualquer forma, acho que cada um sabe do seu filho e do melhor para ele e afirmações feitas da boca para fora sem pensar não vão ajudar ninguém, só abalam.

Se eu ouvi isto com um bebé que na primeira semana recuperou o peso de nascimento e até ganhou e que durante o primeiro mês aumentou quase 1kg por semana, imagino mamãs que estão a tentar amamentar e o peso não mexe muito e depois ouvem isto, claro que afecta, se a mim por vezes em momentos que estamos mais em baixo (super frequentes no pós parto) afectou, imagino nessas situações. Até vos posso contar uma situação no centro de saúde: quando fomos a uma vacina o rapaz quis mamar antes e esperaram que ele finaliza-se para entrarmos. Após a vacina e toda a consulta o Diogo pediu-me maminha outra vez e eu claro dei. A enfermeira do centro de Saúde comentou logo, ui já outra vez, eu ignorei, mas já estava ali a sentir um apontamento que se calhar havia algum problema e ele tinha acabado de ser pesado e ganhar 57g por dia… Por isso, mamãs que não tiverem este apoio que tenho, vão de certeza sentir se muito inseguras. E a amamentação é apenas um exemplo. Existem afirmações destas que magoam e podem afectar muito uma mãe ou um pai relativamente a tudo! Por isso, apoiem mais os recém papás e se acham que podiam aconselha-lós sobre algo que fazem, pensem duas vezes e avaliem antes de falar se tem pés e cabeça e se conseguem argumentar e dar bases científicas para a vossa opinião! E não se esqueçam, todos os pais vão errar, mas só a errar é que se aprende.

Até breve,

Daniela

Anúncios

Ser mãe…

Ser mãe,

Sei que o Diogo apenas tem 3 meses e que não sou mãe há muito tempo, mas sinto-me mãe desde que soube que ele estava aqui na barriga e já foi quase há 1 ano!

Antes de ser mamã, eu já era uma pessoa feliz mas não fazia ideia que era possível alcançar outro nível de felicidade. É tão diferente, é tão difícil de explicar. Sinto-me plena, realizada, era mesmo isto!! É desgastante, a casa está de pântanas, as olheiras não saem, mas ele está feliz, nós estamos felizes e é isso que importa! Sempre pensei que ter um ser humano totalmente dependente de nós fosse assustador mas para mim acho que não o é, é sim um enorme privilégio. Cada vez que ele sorri é inexplicável…

Era mesmo isto, era sim Sr! Obrigada Diogo, obrigada por fazeres os papás tão felizes! E agora vou ali mudar mais uma fralda!!

 

IMG_8120

3 meses do Diogo e a nossa experiência com as Fraldas Reutilizáveis!

O nosso Diogo já faz 3 meses e aproveitamos o marco para vos falar um pouco de como esta a ser a nossa aventura com as fraldas reutilizáveis. Acreditámos que este post possa não ser interessante para todos mas como pode ser para alguns, aqui está!

O Diogo nasceu muito pequenino, tão pequenino que mesmo as fraldas reutilizáveis de recém-nascido, eram enormes. Tivemos de nas primeiras 2 semana usar descartáveis de prematuro e mesmo essas eram grandes! Entretanto arranjamos uma solução nas reutilizáveis para bebés muito pequeninos e até ter um mês usamos reutilizáveis em conjunto com descartáveis pois, a solução que arranjamos não dava para todas as mudas. O que sentimos durante este uso misto é que ele só fazia assaduras com descartáveis e apenas com estas havia algum cheiro. Também tinhámos muito mais fugas nas descartáveis pois temos um super mijão!

A partir daí ele passou a caber nas fraldas de recém-nascido reutilizáveis que tinhámos preparado durante a gravidez e ainda as usa. O uso destas fraldas é muito fácil tanto em casa como fora de casa, basta andarmos no saco com fraldas extra (como toda a gente) e um saco impermeável para as sujas. Vai tudo a máquina e fica perfeito, e se ficar com manchas sai tudo com o sol! Já apanhámos semanas com chuva, atrasou um pouco a secagem das fraldas, mas conseguimos manter sempre as reutilizáveis. O sistema que usámos até agora é fralda de pano (usamos umas que são maioritariamente bambu) e por fora uma capa impermeável. Por vezes, usámos alguns absorventes extra, por exemplo, de noite. Temos 18 fraldas pré-dobradas (as de dentro, que são até os 6,5kg), 5 capas (que dão até os 9kg) e 5 absorventes extra (por norma usamos um por noite), e mesmo com tempo chuvoso tem sido suficiente e o Diogo é mesmo muito mijão!

Entretanto estamos neste momento a fazer a mudança para as fraldas reutilizáveis tudo em um, que são fraldas completas, vestem-se como as descartáveis e crescem com o bebé, durando até ao desfralde. Temos já 3 e estamos a aumentar o stock e a experimentar marcas enquanto ele ainda cabe nas anteriores. Usámos já uma que dura a noite toda, sem fugas, e quando digo toda a noite é entre 10-12h! Claro que se ele fizer cocó de noite mudámos, não deixamos o rapaz sujinho! Com estas fraldas, para além de ajudarmos o ambiente, temos também noites tranquilas, pois ele mama durante a noite mas como não é preciso mudar fralda, muitas vezes mama a dormir! Com a adição desta de noite reduzimos muito mais o número de fraldas sujas e lavamos apenas de 2 em 2 dias, e pensamos que até daria de 3 em 3 mas não nos aventuramos ainda a acumular porque não gostamos de ver tantas sujas e porque pode vir a chuva de repente e estraga-nos os planos!

Até agora o feedback é super positivo! É muito fácil e bastante mais ecológico e sentimos que também fica mais barato! O único problema é que ao contrário das descartáveis que vai-se comprando, o investimento destas tem de ser todo de uma vez, apesar de ser um investimento bem menor, o facto de ter de ser feito todo de uma vez, pode não ser fácil para todas as famílias. O que aconselhamos é que comecem a comprar as fraldas na gravidez, para poder ser faseado! E se precisarem de ajuda, podemos tentar, mas também estamos em aventuras ainda, mas podem procurar muita informação em grupos de facebook e já temos várias lojas em Portugal especializadas no assunto que podem ajudar-vos!

Foi uma das primeiras decisões que fizemos quando soubemos da gravidez e estamos bem felizes com ela! Vamos continuar a usa-las e daqui a uns meses actualizamos o nosso feedback! Até já!

Editorial Rosinha da Capela

Após nos depararmos com o trabalho da Rosinha da Capela, decidimos desafia-las para a realização de um editorial que hoje apresentamos!

A Rosinha da Capela é um atelier de vestidos com uma vasta história que se iniciou em 1970 e que se mantém desde então na mesma família. Situa-se em Lordelo, Paredes.

Este editorial que foi organizado pela Rosinha da Capela, contou com a participação de diversos fornecedores. O local escolhido foram as instalações da Rosinha da Capela onde nos concentramos na história do espaço e nos vestidos que comercializam. Com o empenho e a dedicação de todos o editorial teve um resultado que nos orgulhamos de vos apresentar.

Local: Residência e Atelier “Rosinha da Capela”
Vestidos: Rosinha da Capela wedding & ceremony (@rosinhadacapela.wedding) e Affezione Couture Sposa (@affezionesposa)
Maquilhagem e cabelos: Margarida Ribeiro Makeup e HairIsabel (@anamargaridaribeiroo)
Arte floral: Pétalas Soltas (@petalas_soltas)
Joalharia: Rocha’s Ourivesaria (R. Júlio Dinis, 247 – Loja 53 – Edf. Mota Galiza, Porto)
Estacionário: Casa Stop – Eventos (@casastopeventos)
Modelos: Milene Sofia (@missmimi_du78) e Inês (@neesoliveira)

Sustentabilidade e o vosso casamento: 7 dicas de como podem ter um casamento mais sustentável

CasamentoSR-374

Já pararam um pouco e pensaram como podem fazer com que o vosso casamento seja mais sustentável? Normalmente nestas festas, há um enorme de desperdício em diversas áreas com bastantes usos únicos que são dados a muitos objectos. Hoje sugiro-vos tentar aplicar uma estratégia em que pelo menos reduzam um dos seguintes itens que vou falar e assim possam permitir que o vosso casamento seja um pouco mais amigo do ambiente.

1. Lembranças

Aqui é um dos pontos em que é mais fácil ser sustentável. Que tal em vez de darem algo que ficará esquecido numa gaveta, dêem algo que tenha utilidade e que esteja ao vosso dispor? Olhem à vossa volta, o que dispõem? Têm alguém na família que produza mel, faça compotas? Por que não guardarem os frascos que usam durante o ano e voilá, lembranças feitas! Ou então porque não darem sementes, que ficam tão giras com mensagens como “semeiem o nosso amor!”? Ou plantas? Claro que fujam das embalagens de plástico e de uso único se seguirem por estas ideias.

2. O vestido

Aqui sei que é o mais difícil. Toda a gente sonha com ir a uma loja e encontrar o tal e em usar algo novo! Mas para a mais ousadas e que procuram até algo diferente, existem imensas opções em lojas vintage e de roupa em 2ª mão, e não é bonito dar uma nova oportunidade sendo a estrela de um dia de casamento? Podem também ver os vestidos das vossas mães, avós, sogras, irmãs, tias e talvez até com uns toques fique o VOSSO vestido!! Há quem opte por usar apenas os véus das mães e avós, e digo-vos, acho que dá um toque muito bonito e sentimental ao casamento e é um ideia tão linda! E para além de tudo ainda ajuda o ambiente e a vossa carteira!

3. Roupa dos convidados

Grande parte das pessoas associa a ida a um casamento com o uso de roupa nova e apenas daquela vez. Porque não incentivarem os vosso convidados a usarem peças que já têm, a reutilizarem peças, a não comprarem novas peças apenas para o vosso casamento. Com certeza que grande parte até vos agradece pois será menos um gasto que terão!

4. Convites

Hoje em dia, há quem aposte muito nos convites digitais, muitas vezes por uma questão mais financeira e acaba por ser uma mais valia para o ambiente. Como entendo que por vezes, para convidados de maior idade seja complicado esta opção podem optar por usar papéis reciclados para o vosso convite, o que para além de vantajoso vai dar aquele toque ao vosso casamento!

5. As flores

Para mim este é um dos pontos em que há maior desperdício. Igrejas cheias de flores para 2h de cerimónia, imensas cópias do bouquet para uma ficar aqui e acolá, centros de mesa cheios de flores que passado umas horas irão para o lixo. Antes de contratarem a florista pensem, onde querem realmente ter flores e em que quantidades. No meu próprio casamento, reduzi bastante neste ponto. Tive dois bouquets, um que deixei à Nossa Senhora e o outro que atirei, pedi bouquets pequenos e com flores de época; na igreja tivemos apenas uns apontamentos numas jarras que juntas deviam fazer apenas um pequeno ramo; as minhas 3 damas de honor tiverem uns mini-bouquets, mesmo mini apenas porque sobraram flores dos meus bouquets e de resto optei por não ter quaisquer flores no copo de água. Para a decoração, usamos diversos itens que marcaram a nossa relação que tínhamos cá por casa e que voltaram aos seus sítios após o casamento.

6. Comida

O típico português associa um casamento como um enfardar de comida e espera encontrar montes de escolhas! Felizmente muitas quintas hoje em dia já têm alguma atenção e procuram não exagerar na comida que produzem e colocam à disposição. Tenham o cuidado de verificar como tudo funciona onde vão casar e procurem saber se algo é feito com as sobras e senão tomem precauções quanto a este ponto e estejam preparados para saber o que fazer com as mesmas.

7. Louças e talheres

Certifiquem-se que todas as louças, talheres, porcelanas, jarras, toalhas… etc que vão ser usadas não são de uso único e que farão parte e já fizeram de dias felizes de outros casais.

 

A todos estes pontos, acrescento que optar por usar produtos de fornecedores locais e de boas práticas é sempre a escolha mais acertada. Sejam a mudança que querem ver no mundo, não é um óptima maneira de iniciar a vossa vida a dois?

Se tiverem atenção num destes 7 pontos, já fará uma diferença enorme!

Têm outras ideias que podem tornar um casamento sustentável? Partilhem connosco!

Álbuns fotográficos

42460094_571097786636091_3285065981851860992_n.jpg

Ultimamente a maior parte dos nosso clientes tem optado por não realizar um álbum do nosso trabalho. Sabemos que muitas vezes é uma questão económica, por isso, optamos sempre por realizar algumas impressões de cada trabalho, pois sentimos que o trabalho só está finalizado após estar impresso. Podem até ver um post mais antigo que está aqui em baixo sobre isto.

Somos contadores de histórias e acreditámos que apenas num álbum uma história fica bem contada! Encaramos cada casamento, cada batizado, cada sessão como uma parte da vossa história e apenas conseguimos transmitir a nossa visão da mesma a 100%, quando esta é impressa. E nos álbuns, a fotografia ganha vida, ganha cor, ganha amor… ganha muito mesmo!

E tão bom que é chegar a avó lá a casa e mostrar-lhe um álbum, estarem ali todos de volta da lareira a reviver as vossas histórias, os vossos momentos! Sem dúvida que é bem melhor do que estar a ver num ecrã. No álbum sentimos as emoções e todos os sentimentos!!

Aproveito este post para lançar um miminho para todos os nossos clientes! Durante a próxima semana, estamos com um desconto de 15% sobre todos os valores de álbuns fotográficos, de forma a que, vos seja possível fazer agora o vosso álbum com a vossa história!

 

Detalhes da promoção:

Válida de 3 a 9 de março para todos os que já realizaram algum trabalho connosco. Desconto válido para álbuns a partir de 50€.

 

Quarto do nosso filhote #2 A cadeira

IMG_7915

Tem sido muito fácil toda a tomada de decisões, tanto decorativas como outras, e temos facilmente escolhido tudo para o nosso baby boy! Roupinhas, pormenores de decoração, organização, móveis… A dificuldade começou quando chegamos ao pormenor cadeira! Queríamos uma cadeira para o quarto, isso era ponto assente pelos dois, e em termos de estilo e tal estávamos totalmente de acordo também, mas o problema estava a ser a cor da mesma!

Então, é assim, nós optamos por um quarto de cores neutras desde o início porque é o que ambos gostámos e é o que nos fazia sentido para o nosso bebé. Mobília branca com alguns apontamentos cinza e foi com essa decisão que quando encontramos aquele papel de parede foi mesmo, “é mesmo isto!!”, porque ambos adoramos o Mickey e a Disney e queríamos incorporá-lo no quarto, e o papel de parede foi mesmo o encaixe certo!! Um pequeno aparte, nós temos dois Mickeys e duas Minnies, dois deles gigantes, que são dos dois, e a Margarida e o Donald!

O papel de parede foi o início de todo o processo, e cada vez estamos mais apaixonados por ele, e depois partimos para o trocador e para o berço, ambos branquinhos! Chegou a vez da cadeira! Depois de uma visita aquela maravilhosa loja de decoração que todos conhecemos bem, a ikea xD, decidimos facilmente o modelo mas o Tiago queria optar pelo seguro branquinho e eu queria cor!! Bem para quem esta a ler pensa logo, claro que a mulher ganhou, é sempre assim!! E sim, ganhei, mas não pensem que foi fácil e que foi pelo o que estão a pensar! Eu queria pôr uma cor mas neutra que ao mesmo tempo acrescenta-se cor ao quarto e, para mim, havia lá duas cores fantásticas, especialmente uma delas, a outra estava a ceder pois era a que estava entre as duas opções dos dois!

Ficamos de dormir sobre o assunto, até porque estávamos em cima do Natal, cheios de trabalho e de stress e como ainda tínhamos tempo esperávamos um pouco e a decisão deveria ser mais fácil. Passado algum tempo chegaram os famosos saldos, e voilá, a que eu queria era a cor que entrou em saldo, hihi! Sentimos que era um sinal e fomos logo busca-la e, digo-vos, ficou E-S-P-E-C-T-A-C-U-L-A-R!!! Ambos adoramos o resultado, já a temos a mais de um mês e era mesmo isto, foi mais um encaixe perfeito!! E assim deixamo-vos com a história da saga da cadeira, o resto fica para a próxima até porque o quarto ainda não está ainda finalizado (esta quase!!)!!